*(PARA SEGUIR ESTE BLOG CLIQUE AQUI )* -

terça-feira, 2 de abril de 2013

IMAGEM DE UFOS


Livros de Umbanda Candomblé,Santo daime,ayahuasca,Magia,Bruxaria,Radiestesia,Psicotrônica em pdf Gratis





Livros de Umbanda Candomblé,Santo daime,ayahuasca,Magia,Bruxaria,Radiestesia,Psicotrônica em pdf Gratis





Livros de Umbanda Candomblé,Santo daime,ayahuasca,Magia,Bruxaria,Radiestesia,Psicotrônica em pdf Gratis





Livros de Umbanda Candomblé,Santo daime,ayahuasca,Magia,Bruxaria,Radiestesia,Psicotrônica em pdf Gratis





Livros de Umbanda Candomblé,Santo daime,ayahuasca,Magia,Bruxaria,Radiestesia,Psicotrônica em pdf Gratis



quinta-feira, 26 de julho de 2012

Episódios da série Alienígenas do Passado do Canal por assinatura o The History Channel.

A série prossegue mostrando mais evidências devastadoras que provam que a intervenção extraterrestre na Terra é a única Os caçadores tentam encontrar o que os militares acobertaram na queda de um objeto desconhecido ocorrida em maio de 2008 em Needles, Califórnia, e dão uma olhada em outro incidente famoso de queda de óvni, o Incidente de Kecksburg, na Pensilvânia, onde os militares supostamente se esforçaram para limpar as evidências e em intimidar as testemunhas locais. 

Uma equipe auto-intitulada Caçadores de óvnis investiga diferentes casos de objetos voadores não identificados, conseguindo vídeos e documentos inéditos, bem como entrevistas novas e reveladoras.

UFO Hunters (br: Caçadores de Óvnis) foi uma série de TV estadunidense transmitida pelo The History Channel de 2008 a 2009.explicação plausível para o surgimento e desenvolvimento da vida no planeta.
Já pensou se discos voadores fossem reais? E se Hitler tivesse uma nave e planejasse atacar Nova Iorque? E se os americanos desenvolvessem um disco voador impossível de se detectar e a CIA utilizasse alienígenas invasores como disfarce para projetos militares ultra-secretos. Este documentário vai mostrar que isso é tudo verdade! Desde o momento em que um piloto norte-americano alegou ter visto "pratos voadores" sobre os céus de Washington, em 1947, o mundo inteiro ficou obcecado pelos Objetos Voadores Não-Identificados (Óvnis). Apesar de um grande número de pessoas estar convencido de que estes objetos têm sua origem em outras galáxias e da preocupação dos governos em negar sua existência, já se sabe que um grupo de homens foi secretamente designado para projetar, construir e pilotar autênticos discos voadores. Este especial de uma hora de duração irá viajar com os telespectadores em busca destes fantásticos objetos que ainda existem pelo mundo. Os Verdadeiros Discos Voadores apresentará as histórias contadas pelos homens que projetaram e pilotaram esses supostos Óvnis da vida real. EXTRATERRESTRES Nesta nova temporada de “Extraterrestres”, serão abordadas principalmente as alterações e consequências que produzem estes supostos seres alienígenas no nosso planeta. Conheceremos os efeitos físicos provocados em diversos confrontos com naves militares ou em aterragens secretas em inúmeros pontos da superfície terrestre e mais concretamente na Península Ibérica. Analisaremos também as sequelas psicológicas, culturais e evolutivas, recentes e históricas, que foram induzidas nos encontros que os seres humanos mantiveram com entidades de outros mundo ou de outras dimensões ao longo da História da Humanidade. Os OVNIS, com a sua associação aos visitantes extraterrestres, tocam em alguns pontos sensíveis na mente humana: sensíveis e essencialmente contraditórias. Somos favoráveis à ideia de um encontro com outros seres inteligentes. Imaginamo-los benignos, úteis e até messiânicos, e acreditamos que a sua chegada anuncie o início de uma grande aventura, mas e se não for assim? O que pretenderão os tripulantes dos OVNIS? Estarão mais próximos da Guerra dos Mundos ou do ET? Na Península Ibérica, encontraremos vários casos inquietantes, como o sucedido em Terrassa com a misteriosa morte de dois homens que diziam ter contactado com seres de outro planeta. O espetacular encontro com um OVNI em pleno voo da esquadrilha do capitão Lemos Ferreira. Na primavera e inverno de 1989 a 1990, um objeto triangular com luzes reluzentes foi visto por centenas de pessoas na Bélgica e na Alemanha. Ele voava baixo por vilas e cidades o fato foi relatado por civis e equipes da policia e militares por todo o país.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Visões da Ayahuasca..Alienigenas

Texto extraído de: Visões da Ayahuasca: A Iconografia religiosa de um Shaman Peruano

Sobre as Visões - Algumas iconografias de maior importância:

Naves Espaciais

 O tema das naves espaciais tem grande importância nas visões de Pablo. Como logo vimos, quando a curandeira que curou sua irmã deu-lhe ayahuasca, Pablo viu um imenso disco voador fazendo um tremendo zumbido que o deixou em pânico. Don Manuel Amaringo, o irmão mais velho de Pablo, tem uma história similar. Ele me contou - com lágrimas em seus olhos - que o principal ícaro (canção de poder) que ele utilizou para curar muitas pessoas, ele o aprendeu de uma fada chamada " Altos Cielos Nieves Tenebrosas", que veio em uma nave espacial azul.
Ela me perguntou: você quer ouvir minha música? Ela cantou e aquela música permaneceu em meu coração.
A despeito da freqüência com que Pablo descreve naves espaciais, ele é espaçado em seus comentários sobre elas. Pablo diz que estes veículos podem ter diversos formatos, são capazes de atingir velocidade infinita, e podem mover-se debaixo d'água e dentro da terra. Os seres que viajam nelas são como espíritos, tem corpos mais sutis do que os nossos, aparecem e desaparecem. Eles pertencem a uma avançada civilização extraterrestre, a qual vive em perfeita harmonia. Grandes civilizações ameríndias como a Maya, Tiahuanaco e a Inca contataram estes seres. Pablo disse que viu em suas jornadas com ayahuasca que os Mayas sabiam sobre esta mistura (com seu povo), e que eles vieram de outros mundos em vários momentos de sua história, mas que estão prontos para retornar para este planeta.
De fato, ele disse que muitos dos objetos voadores vistos por pessoas hoje são pilotados por peritos mayas.[1]
Os extraterrestres estão em contato com os nina-runas (povo do fogo) que vivem no interior dos vulcões. Eles se comunicam telepaticamente com os outros. Sob o efeito da ayahuasca, pode-se ver estes seres e seus veículos, mas poucos vegetalistas atualmente tem contato com eles, apenas alguns escolhidos, a quem os extraterrestres ensinam canções de poder e fornecem informações para ajudar a curar seus pacientes.

A antropóloga francesa Francoise Barbira-Freedman, quem fez um extenso trabalho sobre a Lamista(?) da província de S. Martin, contou-me que entre seus informantes shamans, avistamentos de espaçonaves através da ayahuasca são comuns. Quando eu visitei D. Manuel Shuna, o tio de Pablo, um vegetalista com mais de 90 anos, eu lhe mostrei várias fotos das pinturas de Pablo. Apontando para o disco voador em uma das fotos, ele me disse excitado, quase estressado, que nos últimos dois anos ele vinha sendo assombrado por seres que saíam de máquinas como aquela. Ele disse que aqueles seres pairavam levemente sobre a superfície da água. D. Manuel descreveu aquelas máquinas como tendo aproximadamente 50 metros de comprimento, com luzes que tornavam a noite clara como o dia. Quando paravam, nunca tocavam a superfície da água, mas permaneciam suspensos no ar. Algumas vezes os seres que estavam a bordo destas máquinas derrubavam algumas árvores e as levavam todas de uma vez com eles. Dom Manuel disse: Eles sabem quando eu estou bebendo ayahuasca. Eles vem e cantam (me ensinam) todos os tipos de canções e os ícaros (chamadas ou canções de poder) que eu canto. Eles também sabem como orar. Eles querem ser meus amigos, porque existem coisas que estes seres não sabem. Eles querem me levar com eles, mas eu não quero ir, porque estas pessoas comem uns aos outros. Eles me apavoram por moverem terra, ou ao derrubarem grandes árvores. Eles quase me enlouqueceram. Mas eles não demoraram a ir embora, porque eu assoprei tabaco neles.

Está claro que é muito difícil saber o que fazer com este tipo de relato. Parece que os shamans estão constantemente se apropriando de quaisquer inovações que vêem ou ouvem, usando-as em suas visões como metáforas vivas para ir além na exploração das esferas espirituais, para aumentar seus conhecimentos, ou para se defenderem de um ataque sobrenatural. Os shamans de Shipibo recebem livros em suas visões, nos quais podem ler a condição de seus pacientes, recebem espíritos farmacêuticos, ou viajam em naves com um sugestivo design geométrico para o fundo dos lagos para recuperar a alma de seus pacientes (Gebhart-Sayer 1985:168,172:1986:205;1987:240). Canelos Quichua recebeu dos espíritos máquinas X-ray, aparelhagem de pressão sangüínea, estetoscópio, e um conjunto brilhante de luzes cirúrgicas. Um shaman Campa aculturado usa em suas curas um rádio para se comunicar com os espíritos da água (Chevalier 1982:352-3). Os Shamans de Shuar, que adquiriram de várias plantas, animais, pedras, ou outros objetos, flechas mágicas para curar ou se defenderem, também recuperaram um witrur (vitrola em espanhol, fonógrafo) (Pellizzaro 1976:23. 249); Don Alejandro Varquez, um vegetalista que vive em Iquitos, contou-me que além de anjos com espadas e soldados com armas, ele recebeu um jato que usa quando é atacado por feiticeiros fortes (Luna 1986:93: veja também Pellizzaro 1976:47); Dom Fidel Mosombite, um hoasqueiro de Pucallpa, contou-me que em suas visões ele recebeu chaves mágicas, que o habilitaram a dirigir carros e naves de diferentes tipos.

 Voar é o tema mais comum do shamanismo em qualquer lugar. O shaman pode se transformar em um pássaro, inseto, ou em um ser alado, ou ser levado por um animal ou outro ser para outras esferas (realidades). Os shamans contemporâneos às vezes usam metáforas baseadas em invocações modernas para expressar a idéia de voar. Desta maneira, não é estranho que o tema UFO, o qual é parte do imaginário moderno - talvez, como proposto por Jung (1959), seja uma expressão arquetípica dos nossos tempos - é usado pelos shamans como um dispositivo de transporte espiritual para outros mundos. Os discos voadores, seres extraterrestres, e civilizações intergaláticas que aparecem nas pinturas de Pablo, não devem necessariamente ser considerados incomuns ou estranhos para o shamanismo amazônico; eles podem ser manifestações de temas antigos. Descrições de jornadas shamanicas sob a influência da ayahuasca e outras plantas psicoativas, mesmo entre as tribos amazônicas isoladas, freqüentemente incluem a idéia do shaman ascendendo ao céu para se juntar aos seres celestiais ou, ao contrário, seres celestiais descendo ao lugar da cerimônia.[2]
Mbos Valle (1979) e Meheust (1988) notaram o paralelismo que pode ser encontrado entre temas folclóricos, jornadas shamanicas, e abduções por discos voadores. Como em outras partes do mundo hoje, a Amazônia é constantemente bombardeada por novas imagens exóticas e símbolos que rapidamente se misturam à crença tradicional

 Entretanto, a conexão entre UFOs e tryptamina foi anotada por Terence Mckenna, quem averiguou por pesquisas que o contato com UFOs é o tema mais freqüente mencionado por pessoas que tiveram experiências com psilocybin, usando 15-miligramas, dose suficiente para trazer à tona o potencial dos efeitos psicodélicos (cf. Mckenn 1984, 1989). Eu tenho escutado relatos semelhantes dos caboclos que beberam ayahuasca, Psilocybin cubensis (cogumelos), ou dimethyltryptamina pura. Como Valle (1979:209-10) anotou, os UFOs são manifestações físicas que não podem ser entendidas fora de sua realidade psíquica e simbólica. O tema UFO é um assunto que não pode ser negligenciado pelos antropologistas cognitivos, psicólogos e pessoas interessadas na mitologia do homem moderno


OPERAÇÃO CORAÇÃO ESPIRITUAL

 Isso aconteceu quando eu cheguei em Tamanco em 1959. Meu pai me levou para um acampamento chamado Brasil. Em uma casa em uma extremidade da cidade, viveu uma mulher chamada Maria Pacaya. Meu pai tinha para curar vários pacientes, e lá ele tomou ayahuasca. Ele também me deu a bebida depois de soprar sobre ele com o propósito de ajudar-me, como eu estava sofrendo de uma doença cardíaca.
A bebida era tão forte que eu estava à beira de gritar. As visões eram tão vívidas que eu pensei que eu vi não era apenas imaginação, mas um contato com algo físico e real. Eu vi esfinges, eu estava na África, Europa e Américas, e de repente eu vi um médico vestido com um terno cinza-violeta. Ele era um americano. Sua esposa estava usando um vestido verde-esmeralda. Sua filha tinha um vestido da mesma cor. Eles pareciam ser enfermeiros, e teve com eles bisturis, tesouras, pinças, ganchos, algodão, agulhas e linha, e medicina de vários tipos.

O médico me pediu para tirar a camisa. Ele pegou uma faca grande, ampla e abriu-me da clavícula até a última costela do lado esquerdo. Com um martelo, ele quebrou as costelas e abriu meu peito. Ele colocou meu coração em um prato, onde operou em suas artérias e se juntaram a eles com algum tipo de tubos de plástico macio. O médico me mostrou o local do dano em minhas artérias.

Entretanto, a filha do médico já tinha preparado a agulha e agulha para costurar threaded a ferida. Eles colocaram o meu coração de volta em seu lugar, fechou meu peito, e limpos e costurou a ferida. Eles me disseram que eu tinha de jejuar por uma semana. Eu fiz isso, e desde então eu me senti perfeita. [149]

149 No curso de entrevistas com vegetalistas e seus pacientes que eu encontrei várias narrações em que a cura se dá através de imagens, seja em visões ou em sonhos ... Clodomir Monteiro da Silva relata que Sebastião Costa, um discípulo de Irineu Serra, fundador da igreja de Santo Daime (ayahuasca) no Brasil, foi "operado" sob os efeitos da bebida. Ele viu seu corpo deitado na frente dele, e dois homens chegaram com instrumentos, retirados os seus ossos e colocá-los de volta em seu corpo, abriu o seu corpo, e levou um pedaço quadrado a partir do qual três pequenos animais vieram que foram a causa da doença (Monteiro 1985:104-5).
Isto parece sugerir que, nas visões dos pacientes ou o xamã metaforicamente decreta o processo de cura, e é essa visualização que realiza a cura (cf. Achterberg, 1985).

Notas
[1] Uma idéia similar foi descrita pela antropóloga alemã Angelika Gebhart-Sayer. Em 1981, enquanto realizava trabalho de campo em Caimito, uma pequena localidade ao longo do Rio Ucayali, na amazônia peruana, seus amigos índios afligiram-se com um estranho fenômeno de luzes nas montanhas, e que eles interpretaram como uma nova tática das pessoas brancas para penetrar em seu território tribal. Quando eles se aproximaram, as luzes desapareceram. Gebhart-Sayer disse Ter visto inexplicáveis luzes amarelas se movendo a 400 metros de distância e a um metro do chão. Ela não encontrou nenhuma explicação lógica para o que viu. Joe Santos, o shaman, acalmou as pessoas, explicando que nas visões proporcionadas pela ayahuasca ele entendeu o que era aquilo: um aeroplano dourado com grandes lâmpadas e uma bela decoração. O piloto, um distinto inca. Às vezes, ele vestia as roupas modernas das pessoas brancas, às vezes uma preciosa cushma inca (tradicional vestimenta masculina). Nós saudamos os outros, mas não falamos, porque nós conhecíamos seus pensamentos. Então ele se afastou. Entretanto, o momento não é adequado para ele falar. Os incas querem aliar-se com eles, para poder derrotar os brancos e mestiços, e estabelecerem um grande império no qual nós viveremos sua vida tradicional, e possuiremos as comodidades incas e brancas. O tempo chegará em breve, no qual ele trará surpresas e orientações.
[2] Um interessante exemplo da cosmologia Cuna foi relatado por Gomez: as estrelas são luzes de um nível de habitações (mundos) da natureza, que é intermediário entre corpos sólidos e o ar. Aquelas moradas são habitadas por belas mulheres que à noite vestem roupas de tecidos brilhantes, acessos por lâmpadas, semelhantes àquelas das pessoas brancas. Elas se reproduzem por meio de “Paptummatti” (literalmente, o Grande Pai) sem a intervenção de homens, sempre dando a luz à mulheres. Elas se movem de uma casa para outras por meio de naves douradas com as quais também viajam a outros mundos, ocasionalmente descendo a algum deles para transportar em seus veículos aquelas pessoas merecedoras de um favor divino. 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

"sungrazer" Cometa Lovejoy


Um filme de lapso de tempo retirado da Estação Espacial Internacional mostra uma vista brilho do horizonte da Terra na madrugada de 21 de dezembro. Ele apresenta uma visão orbital de tempestades com raios, estrelas, airglow ... eo aparecimento dramático de "sungrazer" Cometa Lovejoy, uma vez que se eleva acima da atmosfera!Incrível!


Descoberto em 2 de dezembro pelo astrônomo amador Terry Lovejoy, na Austrália, o Cometa Lovejoy recentemente sobreviveu a sua  passagem próxima do Sol , viajando por corona do sol e reaparecendo pouco depois do lado oposto. Ela havia sido antecipado que Lovejoy se desintegraria durante abordagem ... parece que este viajante interplanetário recém-descoberto é mais difícil do que pensávamos!

As imagens para o lapso de tempo foram tiradas por ISS Expedition 29/30 Comandante Dan Burbank, que então descreve sua visão privilegiada de Lovejoy de órbita baixa da Terra.


Apesar de não ser exatamente conhecida, acredita-se núcleo Lovejoy deve ser de pelo menos 500 metros (1.640 pés) de diâmetro, a fim de que ele tenha sobrevivido periélio, a sua maior aproximação ao sol.


Sua cauda brilhante, à chegada, foi perdido, pois arredondado do sol, mas reapareceu durante a sua viagem para o exterior. O que é visto no vídeo acima é a sua cauda nova, que agora precede-la como ela se move para longe do sol.


> Video download
NOTA: Este vídeo loops 3 vezes. 
Comet Lovejoy sobrevive o seu encontro com o sol. O cometa é visto aqui saindo de trás do lado direito do sol, após uma hora de viajar através de sua maior aproximação ao sol. Ao estudar como o cometa interage com a atmosfera do Sol, a coroa, e como material de os movimentos da cauda ao longo das linhas do sol do campo magnético, os cientistas solares esperam aprender mais sobre a corona. Este filme foi filmado pelo Dynamics Solar Observatory (SDO) em 171 Angstrom comprimento de onda, que normalmente é mostrado em amarelo. Crédito: NASA / SDO

Esta manhã, uma armada de naves espaciais testemunhou algo que muitos especialistas consideravam impossível.Cometa Lovejoy voou através da atmosfera quente do sol e emergiu intacta. "É absolutamente espantoso", diz Karl Battams do Laboratório de Pesquisa Naval em Washington DC. "Eu não acho núcleo gelado do cometa era grande o suficiente para sobreviver mergulhando através da corona grau vários milhões de solar para perto de uma hora, mas Cometa Lovejoy ainda está conosco." encontro próximo do cometa foi registrado em pelo menos cinco espaçonaves: NASA Solar Dynamics Observatory e sondas STEREO twin, microssatélites da Europa Proba2, eo Observatório ESA / NASA Solar and Heliospheric. As filmagens mais dramático até agora vem de SDO, que viu o cometa ir (abaixo) e depois voltar de novo (acima).
Cometa Lovejoy - Vista da Abordagem Solar

> Video download
NOTA: Este vídeo loops 3 vezes. 
Outro instrumento para assistir o cometa foi o Solar Dynamics Observatory (SDO), que ajustado suas câmeras, a fim de assistir a trajetória. Não só essa ajuda com o cometa pesquisa, como o tamanho do cometa é eo que é feito de - mas também pode ajudar a orientar os instrumentos de SDO. Desde que os cientistas sabem onde o cometa é baseada em outras espaçonaves, eles podem finamente determinar a posição dos espelhos do SDO. Este filme de SDO da noite de 15 de dezembro de 2011 mostra Cometa Lovejoy se movendo em direção ao sol. Crédito: NASA / SDO

Nos filmes SDO, a cauda do cometa se contorce freneticamente enquanto o cometa mergulha na atmosfera quente do sol apenas 120,000 km acima da superfície estelar. Este poderia ser um sinal de que o cometa foi golpeada por ondas de plasma percorrendo o corona. Ou talvez a cauda estava indo e voltando off grandes loops magnéticos conhecidos a permear a atmosfera solar. Ninguém sabe. "Isto é tudo novo", diz Battams. "SDO está nos dando nosso primeiro olhar cometas viajando através da atmosfera do sol. Como a interagem dois é pesquisa de ponta." "Os movimentos dos materiais cometa no campo magnético do sol são simplesmente fascinante", acrescenta SDO projeto cientista Dean Pesnell do Centro de Vôo Espacial Goddard. "As mudanças bruscas de direção me lembrou de como o vento solar afetou a cauda do cometa Encke em 2007 ( ver filme ). " Essas duas imagens foram tiradas pelo Observatório Solar e Heliosférico (SOHO) e cometa mostram Lovejoy indo na direção do sol (topo) e depois emergentes de volta para o outro lado (parte inferior).Crédito: NASA / SOHO> imagem maior top> imagem de fundo AmpliarCometa Lovejoy foi descoberto em 02 de dezembro de 2011, pelo astrônomo amador Terry Lovejoy, da Austrália. Os pesquisadores logo perceberam que a nova descoberta era um membro da família de cometas sungrazing Kreutz. Homenagem ao astrônomo alemão Heinrich Kreutz, quem primeiro estudou-os, sungrazers Kreutz são fragmentos de um cometa gigante único, que partiu de volta ao século 12 (provavelmente o Grande Cometa de 1106).Sungrazers Kreutz são tipicamente pequenas (~ 10 metros de largura) e numerosas. O Observatório Solar e Heliosférico vê uma queda para o sol todos os dias. Na época da descoberta, o Cometa Lovejoy parecia ser pelo menos dez vezes maior do que o usual sungrazer Kreutz, em algum lugar no intervalo de 100 metros a 200. À luz dos acontecimentos de hoje, os pesquisadores estão re-pensar nesses números. "Eu acho que o núcleo do cometa deve ter sido pelo menos 500 metros de diâmetro, caso contrário, não poderia ter sobrevivido tanto de aquecimento solar", diz Matthew Knight. "Uma fração significativa de que a massa teria sido perdido durante o encontro. Os restos são provavelmente muito menor."SOHO e sondas gêmeas STEREO da NASA estão monitorando o cometa, uma vez que se afasta do sol. Ainda é muito brilhante e deve permanecer na faixa de câmeras a naves espaciais "por vários dias para chegar. O que acontece depois é uma incógnita. "Existe ainda a possibilidade de que o Cometa Lovejoy vai começar a se fragmentar", continua Battams. "É sido através de um evento extremamente traumático; estruturalmente, pode ser extremamente fraco Por outro lado, ele poderia manter-se coesa e desaparecem de volta para os recessos do sistema solar.." "É difícil dizer", concorda Knight. ".. Tem sido um trabalho tão pouco sobre o que acontece com os cometas sungrazing após periélio (maior aproximação) Este continua a ser fascinante" Para a mídia adicional de jornada Cometa Lovejoy, por favor visite:http://www.nasa.gov/mission_pages/ sunearth news / / faixa-comet.html


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Roupas com antenas ajudam a melhorar o sinal de transmissão

Novidade em testes nos Estados Unidos alega possuir sinal quatro vezes maior que as antenas comuns.

Cientista segura um dos protótipos da nova antena de comunicações. (Fonte da imagem: Cortesia da Universidade do Estado de Ohio)
Pesquisadores da Universidade de Ohio parecem estar realmente ocupados com suas máquinas de costura. Isso porque eles acabaram de desenvolver um novo design de antenas que vai inserido dentro das roupas e possui um alcance quatro vezes maior que as atuais usadas pelos soldados.
O protótipo utiliza uma capa plástica e fio metálicos para se fixar dentro da vestimenta. Contudo, seu uso ainda não está muito específico. Inicialmente a tecnologia será usada em um campo militar, melhorando a comunicação dos soldados, mas no futuro pode ter aplicações em diversas outras áreas, afirmou um dos cientistas.
Quanto ao funcionamento, o sistema é capaz de enviar e receber sinais de forma multidirecional. Ela possui um controle que identifica a antena melhor localizada para a transmissão de acordo com a posição do corpo e a ativa. O sinal também é capaz de sobrepor paredes e construções.
A ideia de esconder antenas não é novidade, afinal basta lembrar-se dos primeiros celulares que possuíam antenas externas em relação aos atuais que fazem questão de escondê-las. Quem sabe nessa evolução não veremos a próxima tecnologia em antenas sendo produzidas com uma máquina de costura?

NASA desenvolve roupa espacial capaz de gerar gravidade própria

Nova tecnologia mantém a pressão exercida pela atmosfera da Terra e evita problemas de saúde entre os astronautas.

 (Fonte da imagem: Draper Laboratory)
O Draper Laboratory iniciou em agosto deste ano o desenvolvimento de uma nova roupa espacial que tem o objetivo de evitar doenças causadas pela ausência de gravidade no espaço. Desenvolvido a partir do programa Inovative Advanced Concepts (NIAC) da NASA, o equipamento é capaz de dar mais estabilidade aos movimentos dos usuários, exercendo pressão semelhante à da atmosfera da Terra.
A adição de uma resistência extra deve ajudar os astronautas a se acostumar melhor com o espaço, evitando problemas de coordenação motora comuns em ambientes com baixa gravidade. A roupa virá equipada com uma unidade de medição e um giroscópio, responsáveis por aumentar ou diminuir a resistência conforme o ambiente em que o usuário trabalha, seja dentro da aeronave ou no espaço.
A nova tecnologia também deve ter aplicações fora do espaço, ajudando a readaptar astronautas ao ambiente terrestre após o fim de longas missões. Além disso, o traje deve auxiliar no tratamento de vítimas de derrames, idosos, ou pessoas que sofreram danos graves ao cérebro ou à espinha dorsal.

Projeto para o futuro

O time de desenvolvedores do Draper Laboratory pretende terminar em 2012 um protótipo que exibe a capacidade da nova tecnologia em um braço humano. A expectativa é de que, caso haja recursos suficientes, o projeto esteja pronto para uso em largo escala em um período que vai de 5 a 10 anos.

NASA estuda projeto para comunicação interplanetária de alta velocidade

Utilizando transmissão por laser, agência espacial norte-americana planeja melhorar a qualidade da comunicação espacial.



 (Fonte da imagem: Reprodução / NASA)
A transmissão de imagens pelo espaço sofre muitos atrasos por utilizar ondas de radiofrequência. Em distâncias muito longas (entre planetas, principalmente), podem ocorrer delays e até mesmo falhas no sinal da transmissão, por isso a NASA está estudando formas de substituir a tecnologia de radiofrequência por transmissões a laser.
O Laser Communication Relay (ou LCR) permitiria uma transmissão de muito mais velocidade e qualidade no sinal. Estima-se que, com o novo padrão, a largura da banda garantiria até 100 vezes mais rapidez no envio de dados. Em termos práticos, a nova tecnologia possibilitaria a conexão em tempo real com outro planetas (como Marte e quaisquer outros que venham a ser explorados).
Os testes só poderão ser feitos em 2015, quando a NASA estiver com todos os satélites, transmissores e receptores em seus devidos lugares. Caso os experimentos mostrem bons resultados, será possível assistirmos a imagens em alta definição diretamente de Marte, por streaming, em tempo real.